Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vox nihili

10
Out17

Solitude is bliss*

vox nihili

Gosto de estar sozinha. Afundada na minha música, ainda me sabe melhor. Talvez também por falta de paciência para rotinas já tão bem oleadas e para os outros.

Não é por mal.

Vou tendo os meus dias bons e menos bons. Mas sinto-me bem assim, sozinha. Sempre tive - e ainda tenho - dificuldade em lidar com a minha mente quando me isolo. Devido a pensamentos intrusivos, intensos, de culpa, de vergonha, de autocomiseração.

É também verdade que já tive mais paciência. E agora não tenho tanta. 

 

Em contrapartida, toda a terapia (alguma lírica) tem-me vindo a ensinar que o que eu penso e o que quero também é válido e importante. Não são só os outros que importam (por vezes até podem ser bem egoístas).

Atenção, somos todos egoístas até certo ponto, mas há que saber regular a torneira.

 

Para racionar o pouco plafond de paciência que muitas vezes temos, vale ouro aprender a apreciar a nossa própria companhia.

Até por uma questão de amor-próprio.

 

 *

 

28
Fev17

circunstâncias

vox nihili

b2f6c8fc5779f73d16bad7315e127234.jpg

Às vezes penso muito no futuro. Até demais. Chega até a prender-me, a isolar-me no presente espaço e tempo.
Ultimamente tenho-me perguntado se me irei tornar indisponível para os meus amigos e vice-versa. Não querendo generalizar, ao olharmos para os nossos pais, reparamos que os amigos deixaram de lhes ocupar tanto tempo.
Claro que, com outras responsabilidades a gastar-lhes o tempo, vejo que é justificável. Mas eu gostava que não fosse assim. Nem tem de ser, de todo. De certeza que haverão sempre dias especiais para irmos pondo a vida em conta!
Mas lá está, talvez veja as coisas desta forma agora, pela esperança derivada da idade.
Parece que tenho quase como uma urgência em saber como vou estar no futuro. Com quem vou poder ainda estar e até como vou ser, porque nos vamos moldando e adaptando, conforme tudo aquilo por que passamos.
Sei que não quero ficar indiferente ou ruim. Ou mecânica e apática.
Nem muito menos quero que as ditas circunstâncias da vida - ou o peso delas - me arranquem amigos.
Mas who knows?
A ver vamos.