Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vox nihili

28
Fev17

circunstâncias

vox nihili

b2f6c8fc5779f73d16bad7315e127234.jpg

Às vezes penso muito no futuro. Até demais. Chega até a prender-me, a isolar-me no presente espaço e tempo.
Ultimamente tenho-me perguntado se me irei tornar indisponível para os meus amigos e vice-versa. Não querendo generalizar, ao olharmos para os nossos pais, reparamos que os amigos deixaram de lhes ocupar tanto tempo.
Claro que, com outras responsabilidades a gastar-lhes o tempo, vejo que é justificável. Mas eu gostava que não fosse assim. Nem tem de ser, de todo. De certeza que haverão sempre dias especiais para irmos pondo a vida em conta!
Mas lá está, talvez veja as coisas desta forma agora, pela esperança derivada da idade.
Parece que tenho quase como uma urgência em saber como vou estar no futuro. Com quem vou poder ainda estar e até como vou ser, porque nos vamos moldando e adaptando, conforme tudo aquilo por que passamos.
Sei que não quero ficar indiferente ou ruim. Ou mecânica e apática.
Nem muito menos quero que as ditas circunstâncias da vida - ou o peso delas - me arranquem amigos.
Mas who knows?
A ver vamos.

20
Fev17

sobre: festival da canção

vox nihili

Deixei de ver o festival da canção durante alguns anos e ontem decidi ver por curiosidade.

Hoje fui-me arrastando para o curso, deixando um rasto de bocejos pelo caminho... Mas isso é um outro aparte.

Voltando ao que realmente importa, fiquei positivamente impressionada nesta edição!

Gostei muitos de uns e, não tanto de outros, não podendo dizer que tenha odiado algum em especial - até porque odiar é uma palavra muito forte.

No entanto, houve uma interpretação que, para mim, se destacou mais.

 

Para já, quando vi que a Luísa Sobral era a compositora, pensei logo que só poderia ser bom.

Mas estava longe de imaginar que seria tão soberbo. Adoro a interpretação, a voz, tudo!

Até a forma como se posiciona ao microfone - a forma como "foge e volta" - e como movimenta as mãos. Eu dou sempre muito importância a estas coisas quando vejo alguma actuação. Às vezes, até interpreto demais as coisas...
Mas está tudo no ponto certo! Transmitiu uma pureza ou, talvez ternura, que não esperava, tendo em conta que o tema será sobre um casal, em que um dos elementos deixa de amar o outro. E, o "lesado", - linguagem profissional, lamento (!) - quer amar pelos dois, de forma a salvar esse amor.

 

Vi muitos comentários de quem pensa que, por não ser uma canção festivaleira, não merecesse passar. Eu penso que, só pelo seu conteúdo, - que muitas vezes falta a canções "mais festivaleiras" - acaba por merecer. A meu ver, tem um quê de uma alma muito portuguesa, não sei... Não sei mesmo explicar! 
Acho que já depende do que cada um de nós define como música festivaleira ou não, mas, para ser bom, não tem de ser pimba.

 

Tenho agora esta música em repeat até à próxima semi-final. Com uma actuação destas, fica difícil de acreditar que poderão vir a apresentar temas tão bons ou melhores.

 

16
Fev17

Aqui vou eu, cheia de pica! (Not).

vox nihili

im-not-anxious.jpeg

Fuuuuuck.

Chegou a altura pela qual não anseio nada que comece. Anseio mesmo é que acabe!

A altura de procurar estágio e ir a entrevistas. Uma altura turbulenta como só se pode esperar quando se faz as coisas em cima da hora.

Não dá para estar entusiasmada, não dá!

Principalmente por ouvir relatos aqui e acolá de como o local x e y são. É que, normalmente, quando é para falar das nossas experiências, temos uma estranha mania de salientar imenso os pontos maus, como se estivéssemos num braço de ferro com os outros. Como se quiséssemos afirmar que passámos sempre por pior.

Enfim, manias essas já muito entranhadas em nós.

Vou precisar de pedir ao Gustavo Santos uns clipes de voz personalizados, com frases de motivação, fazer meditação trascendental e começar a fazer running - que é correr, só que mais chique. Só me vejo a sobreviver desta forma.

 

Aqui vou eu, cheia de medo!